Make your own free website on Tripod.com

A Pericardite

Apresentação
Fotos
Hipertensão, Diabetes, Nutrição e Exercício
Biologia Médica - Biomedicina
Enfarte do Miocárdio
Arterioesclerosis
Doenças Vasculares
Aneurisma
A Grávida
O Coração Esse Órgão Ignorado
O Cérebro
Disfibrilador Implantável
A Terapia da Ressincronização Cardíaca
O Transplante do Coração
A Pericardite
O Edema Agudo do Pulmão
A Anatomia do Coração

 

A pericarditis é a inflamação de uma dupla membrana que rodeia o coração, chamada de pericárdio. Pode dar lugar a derrame pericárdico (formação de líquido entre a membrana que está colada ao coração e a que está em contacto com os pulmões) e também pode dar lugar a engrossamento, retracção e calcificação do pericárdio.

Causas:

 

A causa mais frequente é uma infecção por vírus.

 

-         Uns dias antes do episódio de pericardite é frequente que tenha tido catarro, faringite ou qualquer outra doença vírica benigna.

 

-         Outras causas são as seguintes: enfarte agudo de miocárdio, insuficiência renal, hipotiroidismo, doenças auto-imunes, determinados medicamentos, traumatismos torácicos, cirurgia cardíaca, radioterapia (geralmente aparece um ano depois), infecções, neoplasias, etc.

 

-         As causas são muito variadas e nem sempre identificáveis, e se chama idiopática (de causa desconhecida).

 

Existem duas formas de pericardite: aguda (dura menos de 6 semanas) e crónica (dura mais de 6 semanas).

 

Sintomas

 

A pericardite aguda se caracteriza por sintomas devidos à inflamação do pericárdio - dor centro-torácico que costuma ser aguda e irradiando pelas costas. A dor se acentua quando o paciente está deitado de barriga para acima e diminui ao sentar-se e inclinar-se para diante. Também se acentua ao respirar profundo, o qual dificulta a respiração. Alguns pacientes têm uma moléstia fixa a nível do externo que se parece à dor do enfarte agudo de miocárdio. A dor pode acompanhar-se de febre e taquicardia, e costuma durar vários dias.

 

Aparecem outros sintomas quando há derrame pericárdico, sobretudo se é abundante e se produz em pouco tempo (pode ter dificuldade para respirar, tontura, etc.).

 

A pericardite crónica (duração maior de seis semanas) pode chegar a produzir engrossamento, retracção e calcificação do pericárdio, em cujo caso se fala de pericardite constritiva.

 

Este tipo de pericardite pode produzir sintomas de insuficiência cardíaca direita: aumento de tamanho das veias do pescoço, inchaço abdominal e de tornozelos ou pernas.

 

Como se diagnostica

 

O médico dispõe de três critérios de diagnóstico na pericardite aguda, que não necessariamente presentes ao mesmo tempo: a história clínica de dor típica, a auscultação cardíaca e as alterações do electrocardiograma. G

 

Geralmente basta para fazer o diagnóstico que dois destes três critérios estejam presentes em algum momento da evolução da doença.

 

A pericardite crónica dá lugar a sintomas menos típicos e mais variados. Se tem lugar o derrame pericárdico, pode-se diagnosticar por um ecocardiograma. Se dá com calcificação pericárdica, vêem-se os depósitos de cálcio numa radiografia de tórax.

 

Entre 15 e 20% dos pacientes com pericardite aguda benigna apresentam uma ou mais recidivas. Às vezes reaparecem os sintomas ao suprimir o tratamento anti-inflamatório. Se isto ocorre dentro das 6 primeiras semanas desde os sintomas iniciais de pericardite incessante ou recorrente. Nestes casos há que reformular a causa, já que às vezes se trata de uma pericardite secundária a outras doenças, e há que tratar a doença causadora.

 

Tratamento

 

Depende da forma de apresentação e da causa.

 

A pericardite aguda de origem vírica ou idiopática se trata com repouso enquanto durem a dor e a febre. Ademais se administram anti-inflamatórios não esteróides em doses altas durante várias semanas. O problema destes fármacos é que muitas vezes produzem dor de estômago ou reactivam os sintomas de úlcera, em cujo caso se devem dar em doses mais baixas das desejáveis ou inclusive suspendê-los. Podem associar-se a protecção gástrica.

 

Nos pacientes que tenham apresentado duas ou mais recorrências, ou nos que têm pericardite incessante costuma ser eficaz o tratamento com colchicina, adicionado aos anti-inflamatórios não esteróides. Recomenda-se manter o tratamento com colchicina durante um ano.

 

Só em alguns casos muito rebeldes ao tratamento habitual se recomenda o tratamento com esteróides. Excepcionalmente, em enfermos rebeldes ao tratamento médico com pericardite recorrente de longa evolução, que tenham apresentado muitas crises, pode-se dar tratamento imunossupressor ou inclusive intervenção cirúrgica para tirar o pericárdio.

 

Nas pericardites secundárias a uma doença conhecida, deve-se tratar a doença. Nas que produzem derrame pericárdico importante, pode ser necessária a punção pericárdica para extrair o derrame.

 

A pericardite constritiva é uma complicação de diferentes tipos de pericardite. Quando a constrição aparece depois de uma pericardite tuberculosa ou purulenta, é pouco provável que se resolva espontaneamente, e quase sempre requer tratamento cirúrgico que consiste na extracção do pericárdio.

 

Os pacientes que apresentam sintomas ou sinais de insuficiência cardíaca devida à pericardite constritiva devem ser intervencionados, ainda que não sempre se chegue a conhecer a causa.

 

MUSICA FUMO NEL OCCHI

Copyrights © 2010-2014. Coracao. All rights reserved.